Pequeno guia de acesso ao crédito bancário

Com seu CNPJ em mãos, o empreendedor cultural tem a oportunidade de captar recursos em instituições bancárias para capital de giro ou investimento. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco do Nordeste (BNB) possuem instrumentos de crédito específicos para o setor artístico e cultural. Através do Banco do Brasil, o empreendedor cultural tem acesso ao Programa de Financiamento às Exportações (Proex). E também destacaremos o CRESCER – Programa Nacional de Microcrédito.

O Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura (BNDES Procult) é o principal instrumento de apoio ao setor artístico e cultural. O objetivo geral é viabilizar o apoio ao desenvolvimento e fortalecimento da cadeia produtiva da economia da cultura no País. Respeitado o limite orçamentário de R$ 1 bilhão, o prazo de vigência do programa termina em 31 de julho de 2012. a Tabela 11 apresenta os segmentos contemplados e quais subprogramas estão disponíveis para cada um deles.

Tabela – BNDES Procult (subprogramas e segmentos)

SEGMENTO FINANCIAMENTO RENDA VARIÁVEL NÃO REEMBOLSÁVEL
Patrimônio Cultural X X
Audiovisual X X X
Editorial e livrarias X X
Fonográfico X X
Espetáculos ao vivo X X

O Cartão BNDES é um mecanismo de financiamento voltado para micro, pequenas e médias empresas. O limite é de até R$ 1 milhão, com juros de 0,97% ao mês e o valor pode ser parcelado em até 48 prestações fixas, desde que a menor parcela não seja inferior a R$ 100,00. O empreendedor cultural pode usar o Cartão BNDES, por exemplo, para replicar CDs e DVDs, adquirir aparelhos cinematográficos, aparelhos para edição de imagem e de som, equipamentos de sonorização e iluminação, microfones e instrumentos musicais, estruturas para montagens de eventos, aparelhos para fotografia, impressão de livros, móveis e acessórios, veículos, etc.

O programa Cresce Nordeste, do Banco do Nordeste (BNB), disponibiliza recursos para implantação, ampliação, modernização e reforma de empreendimentos do setor cultural, bem como para produção, circulação, divulgação e comercialização de produtos e serviços culturais. Os juros variam de acordo com o porte da empresa:

a) 6,75% ao ano para microempresas;

b) 8,25% ao ano para pequenas empresas;

c) 9,50% ao ano para médias empresas;

d) 10% ao ano para grandes empresas;

Com recursos financeiros obtidos junto ao Tesouro Nacional, o Programa de Financiamento às Exportações (Proex) oferece crédito às empresas exportadoras de serviços de apresentação e promoção de atuações artísticas, serviços de entretenimento ao vivo, bem como serviços de apoio à produção audiovisual, serviços fotográficos, videográficos, de processamento de fotografias e serviços de propaganda. O Bando do Brasil é o agente financeiro para a operacionalização do programa. O pagamento é feito em parcelas semestrais, iguais e consecutivas com taxas de juros de mercado internacional.

O Programa Nacional de Microcrédito (CRESCER) oferece, a microempreendedores individuais e a microempresários, financiamentos de até R$ 15 mil por operação com juros de 8% ao ano. Os empreendedores culturais não precisam oferecer garantias e pagam apenas 1% de taxa de abertura de crédito, ao invés de 3%, como é cobrado atualmente. Quatro bancos públicos estão oferecendo essa linha de crédito produtivo: Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Banco do Nordeste e Banco da Amazônia. Diferentemente de linhas de microcrédito disponibilizadas, o CRESCER oferece um microcrédito assistido, que disponibiliza assistência aos empreendedores para avaliar como o dinheiro está sendo aplicado.

Saiba mais clicando nos links abaixo:

BNDES Procult

Cartão BNDES

Cresce Nordeste

Proex

CRESCER

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *